<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d8890843\x26blogName\x3dAtordoadas\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://atordoadas.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://atordoadas.blogspot.com/\x26vt\x3d7904952202693746813', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, 30 de novembro de 2004

A origem social da foda


Ao longo da vida, tenho espetado o nabo em cricas de todos os tamanhos e feitios, e também de todas as origens sociais. Baseado na minha experiência, distingo três grandes classes sociais de gajas:

Gajas de classe baixa, gajas de classe média e gajas de classe alta. E gajas de classes diferentes fodem diferentemente.

Vejamos:

Gajas de classe baixa: São gajas que trazem para o leito a rudeza do trabalho agrícola. Comportam-se como se estivessem a malhar o milho, só que a maçaroca é o nosso nabo e elas malham com o bordedo. Se não estivesse bem presa ao corpo, estou convencido de que nos arrancavam a picha à conada. Regra geral, são gajas que não se negam a levar na bufa pois desde tenra idade há um primo, inevitavelmente chamado Alfredo, que lhes rebenta as nalgas com o seu barrote que, de tanto enrabar ovelhas, até tem varizes no lombo.

Gajas de classe média: São gajas que fodem com requinte. Podem não ter o instinto animal das gajas de classe baixa, mas sabem alguns truques que aprenderam lá fora. Aliam uma desinibição resultante de educação progressista a uma ânsia de saber que lhes permite manterem-se informadas sobre as mais modernas técnicas de mamar na sardanisca e de dar trancadas inovadoras, que aprendem nas revistas femininas.

Gajas de classe alta: São gajas que compensam alguma falta de prática e talento com o facto de terem condições financeiras para Andar a embelezar as tetas, a peida e a própria pachacha. Estas gajas não tiveram primos de picha calejada a desbravar caminho. Todos os seus familiares do sexo masculino são panascas. Mas elas tentaram, pelos seus próprios meios, iniciar actividades fodengas enfiando objectos rombos no seu endinheirado pipi. Em casa destas gajas há sempre qualquer coisa que serve para esse efeito: um castiçal de prata, uma perna de uma cadeira D. João V, uma tela do Cargaleiro toda enroladinha para enfiar no cu (que é, aliás, o lugar dela). Estas gajas têm uma grande falta de nabo, dada a paneleirice do meio em que vivem. Por isso, assim que se apanham com um gajo que cheire a animal e lhes dê umas piçadas a sério, dispara-lhes o fusível e desatam a foder como se não houvesse amanhã. Nessa altura, proporcionam festa bem rija na cama.

terça-feira, 23 de novembro de 2004

Pensamento da semana


"Nunca segures os teus puns. Eles sobem pela tua espinha, entram no teu cérebro, e aí surgem as idéias de merda"

domingo, 21 de novembro de 2004

Diferença entre a mulher e a pérola

A cena passa-se num templo Shaolin:

Discípulo:
"Sábio e honrado mestre, poderia ensinar-me a diferença entre uma pérola e uma mulher?"

Mestre:
"A diferença, humilde gafanhoto, é que numa pérola pode-se enfiar por dois lados, enquanto numa mulher somente por um lado."

Discípulo (um tanto confuso): "Mas Mestre, longe de mim pensar contradizer vossa himalaiana sabedoria, mas ouvi dizer que certas mulheres permitem ser enfiadas pelos dois lados!"

Mestre (com um fino sorriso): "Nesse caso, curioso gafanhoto, não se trata de uma mulher e sim de uma pérola..."

sexta-feira, 19 de novembro de 2004

Fumar mata...


Mas eu ADOROOOO F...UMAR......

quarta-feira, 17 de novembro de 2004

Posição preferida

Três amigos estavam reunidos a beber uma cervejinha,e entre outras coisas falavam sobre as melhores posições durante o acto sexual:
- Um deles disse: ...para mim a melhor é o 69!!!
- O outro disse: ...para mim é o frango assado!!!
- E o último disse: ...não há nada melhor do que o RODEIO!!!

Os outros dois amigos olharam-no assombrados e perguntaram do que se tratava. O homem explicou:
- Diz à tua mulher para se colocar de quatro... começa a transar por trás, ao estilo cachorrinho... e uma vez que as coisas estejam bem quentes... apoia o teu peito sobre as costas dela, abraça-a fortemente, e diz-lhe com delicadeza, bem baixinho, no ouvido dela:
- "Esta é a posição favorita da minha secretária"...
...E DEPOIS TENTA MANTER-TE EM CIMA DELA POR MAIS DE OITO SEGUNDOS...
...SEGUUUUUUUUUUUUUUUURA PEÃÃÃÃOOOOOOOOOOOOOOOO!!!

domingo, 14 de novembro de 2004

Invenções

O Homem descobriu as ARMAS e inventou a CAÇA
A Mulher descobriu a
CAÇA e inventou as PELES

O Homem descobriu as CORES e inventou a PINTURA
A Mulher descobriu a
PINTURA e inventou a MAQUIAGEM

O Homem descobriu a
PALAVRA e inventou a CONVERSA
A Mulher descobriu a
CONVERSA e inventou a FOFOCA

O Homem descobriu o JOGO e inventou as CARTAS
A Mulher descobriu as
CARTAS e inventou a BRUXARIA

O Homem descobriu a AGRICULTURA e inventou a COMIDA
A Mulher descobriu a
COMIDA e inventou a DIETA

O Homem descobriu a AMIZADE e inventou o AMOR
A Mulher descobriu o
AMOR e inventou o CASAMENTO

O Homem descobriu a MULHER e inventou o SEXO
A Mulher descobriu o
SEXO e inventou a DOR DE CABEÇA

O Homem descobriu o COMÉRCIO e inventou o DINHEIRO
A Mulher descobriu o DINHEIRO, e ai FODEU TUDO... !!!!!!

quinta-feira, 11 de novembro de 2004

100 Palavras

quarta-feira, 10 de novembro de 2004

Inexplicáveis segredos do cerebro

Como são quase inexplicáveis os segredos do nosso cérebro!...
É incrível mas é verdade.
Veja como consegue ler isto, com facilidade:

Sguedno um etsduo da Uinvesriadde de Cmabgirde, a oderm das lertas nas pavralas não tem ipmortnacia qsuae nnhuema. O que ipmrtoa é que a prmiiera e a utlima lreta etsajem no lcoal cetro. De rseto, pdoe ler tduo sem gardnes dfiilcuddaes... Itso é prouqe o crebéro lê as pavralas cmoo um tdoo e nao lreta por lerta.
Foad-se è msemo veadrde !

segunda-feira, 8 de novembro de 2004

Garcia, o publicitário português

Um português abre uma filial de sua empresa de pregos em Roma. Como propaganda fez um outdoor com a figura de Cristo pregado à cruz e em baixo estava escrito:

PREGOS GARCIA - 2000 ANOS DE GARANTIA

Foi aquele rebuliço.
O bispo de Roma foi pessoalmente conversar com o português para lhe explicar que não podia fazer aquilo.
Então o português resolveu fazer um novo outdoor.
Colocou Cristo com uma das mãos pregadas na cruz e a outra solta, dando tchau e em baixo estava escrito:

ADIVINHE EM QUAL MÃO FOI USADO PREGO GARCIA!?

Meu Deus do Céu!!! Até o Papa foi conversar com o português.
- Assim não dá! Não pode usar Jesus Cristo como garoto de propaganda. Inventa outra coisa...
- Então vou fazer novo outdoor... pensou o português.
Colocou a foto da cruz vazia e em baixo estava escrito.

SE O PREGO FOSSE GARCIA, CRISTO NÃO FUGIA!

sexta-feira, 5 de novembro de 2004

A comovente realidade

Dá para ter saudades da juventude...
Para a malta ler com atenção porque é a mais pura verdade!!!
Mas a culpa é nossa, papás e mamãs de hoje...
Em conversa com o irmão mais novo de um amigo, cheguei a uma triste conclusão. A juventude de hoje, na faixa que vai até aos 20 anos, está perdida. E está perdida porque não conhece os grandes valores que orientaram os que hoje rondam os trinta. O grande choque, entre outros nessa conversa, foi quando lhe falei no Tom Sawyer. "Quem?", perguntou ele. Quem?! Ele não sabe quem é o Tom Sawyer! Meu Deus... Como é que ele consegue viver com ele mesmo. A própria música: "Tu que andas sempre descalço, Tom Sawyer, junto ao rio a passear, Tom Sawyer, mil amigos deixarás, aqui e além..." era para ele como o hino senegalês cantado em mandarim.
Claro que depois dessa surpresa, ocorreu-me que provavelmente ele não conhece outros ícones da juventude de outrora. O D'Artacão, esse herói canídeo, que estava apaixonado por uma caniche; Galáctica, que acalentava os sonhos dos jovens, com as suas naves triangulares; O mítico Homem da Atlântida, com o Patrick Duffy e as suas membranas no meio dos dedos; A Super-Mulher, heroína que nos prendia à televisão só para a ver mudar de roupa (era às voltas, lembram-se?); O Barco do Amor, que apesar de agora reposto na Sic Radical, não é a mesma coisa. Naquela altura era actual... E para acabar a lista, a mais clássica de todas as séries, e que marcou mais gente numa só geração: O Verão Azul. Ora bem, quem não conhece o Verão Azul merece morrer. Quem não chorou com a morte do velho Shanquete, não merece o ar que respira. Quem, meu Deus, não sabe assobiar a música do genérico, não anda cá a fazer nada.
Depois há toda uma série de situações pelas quais estes jovens não passaram, o que os torna fracos. Ele nunca subiu a uma árvore! E pior, nunca caiu de uma. É um mole. Ele não viveu a sua infância a sonhar que um dia ia ser duplo de cinema. Ele não se transformava num super-herói quando brincava com os amigos. Ele não fazia guerras de cartuchos, com os canudos que roubávamos nas obras e que depois personalizávamos. Aliás, para ele é inconcebível que se vá a uma obra. Ele nunca roubou chocolates no Pingo-Doce.
O Bate-pé para ele é marcar o ritmo de uma canção.
Confesso, senti-me velho...
Esta juventude de hoje está a crescer à frente de um computador.
Tudo bem, por mim estão na boa, mas é que se houver uma situação de perigo real, em que tenham de fugir de algum sítio ou de alguma catástrofe, eles vão ficar à toa, à procura do comando da Playstation e a gritar pela Lara Croft. Óbvio, nunca caíram quando eram mais novos. Nunca fizeram feridas, nunca andaram a fazer corridas de bicicleta uns contra os outros. Hoje, se um miúdo cai, está pelo menos dois dias no hospital, a levar pontos e a fazer exames a possíveis infecções, e depois está dois meses em casa a fazer tratamento a uma doença que lhe descobriram por ter caído. Doenças com nomes tipo "Moleculum infanticus", que não existiam antigamente. No meu tempo, se um gajo dava um malho (muitas vezes chamado de "terno") nem via se havia sangue, e se houvesse, não era nada que um bocado de terra espalhada por cima não estancasse. Eu hoje já nem vejo as mães virem à rua buscar os putos pelas orelhas, porque eles estavam a jogar à bola com os ténis novos. Um gajo na altura aprendia a viver com o perigo. Havia uma hipótese real de se entrar na droga, de se engravidar uma miúda com 14 anos, de apanharmos tétano num prego enferrujado, de se ser raptado quando se apanhava boleia para ir para a praia. E sabíamos viver com isso.
Não estamos cá? Não somos até a geração que possivelmente atinge objectivos maiores com menos idade? E ainda nos chamavam geração "rasca"... Nós éramos mais a geração "à rasca", isso sim. Sempre à rasca de dinheiro, sempre à rasca para passar de ano, sempre à rasca para entrar na universidade, sempre à rasca a ver se a namorada estava grávida, sempre à rasca para tirar a carta, para o pai emprestar o carro. Agora não falta nada aos putos.
Eu, para ter um mísero Spectrum 48K, tive que pedir à família toda para se juntar e para servir de prenda de anos e Natal, tudo junto. Hoje, ele é Playstation, PC, telemóvel, portátil, Gameboy, tudo. Claro, pede-se a um chavalo de 14 anos para dar uma volta de bicicleta e ele pergunta onde é que se mete a moeda, ou quantos bytes de RAM tem aquela versão da bicicleta.
Com tanta protecção que se quis dar à juventude de hoje, só se conseguiu que 8 em cada dez putos sejam cromos. Antes, só havia um cromo por turma. Era o tóto de óculos, que levava porrada de todos, que não podia jogar à bola e que não tinha namoradas. É certo que depois veio a ser líder de algum partido, ou gerente de alguma empresa de computadores, mas não curtiu nada.
Hoje, se um puto é normal, ou seja, não tem óculos, nem aparelho nos dentes, as miúdas andam atrás dele, anda de bicicleta e fica na rua até às dez da noite, os outros são proibidos de se dar com ele.

quinta-feira, 4 de novembro de 2004

100 Palavras

quarta-feira, 3 de novembro de 2004

Eu gosto muito de rãs e de sapos...


Eu gosto muito de rãs. As rãs arrotam a noite toda. As rãs são mais
pequenas que as vacas e mais grandes que um pintelho. As rãs não têm pintelhos. As rãs põem ovos pela cona que depois dão rãzinhas pequenas. Se as rãs tivessem pintelhos na cona arranhavam os ovinhos que são muito pequenininhos e as rãzinhas que estão lá dentro iam morrer porque entrava água pelas arranhadelas e elas morriam afogadas e porque quando são pequenas não têm patas e não sabem nadar. Eu também ainda não tenho pintelhos mas já sei nadar. Também ainda não tenho cona mas um dia vou ter muitas. As rãs são as mulheres dos sapos. Os sapos não têm unhas por isso não podem coçar os colhões. É por isso que eles andam com as pernas abertas a arrastar os colhões que é para os coçar. E quando se picam nos colhões os sapos dão saltos. As rãs também dão muitos saltos, por isso têm a cona sempre aos saltos. Eu gosto muito de rãs. E gosto muito de sapos.

terça-feira, 2 de novembro de 2004

Estádio da Luz


Para que serve a última fila do estádio da Luz?
Para sentar os adeptos lampiões nos jogos em que o FC Porto lá jogar; não vão ter nada para festejar e só se vão levantar quando for para saír.
Porque construíu o Benfica um estádio novo?
Para aumentar as médias de espectadores dos seus jogos da Super Liga a níveis superiores aos do futebol regional, feminino ou de salão.
E porque não joga mais no Estádio de Oeiras?
Para que quando jogue com o Alverca os adeptos dos visitados não sejam mais do que os adeptos "da casa".
E quem gosta dos jogos de Alvalade?
Os que ficam sentados atrás dos placards, que não vêm aquela bosta de futebol.

segunda-feira, 1 de novembro de 2004

Pensamento da semana

O que distingue os homens das mulheres...
é que os homens têm
sempre a mesma pila entre as pernas