<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d8890843\x26blogName\x3dAtordoadas\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://atordoadas.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://atordoadas.blogspot.com/\x26vt\x3d7904952202693746813', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

segunda-feira, 10 de janeiro de 2005

Como sobrevivêmos na nossa infância

Se foste criança nos anos 60, 70 ou princípio dos anos 80...
Como fizeste para sobreviver?

- Em crianças andávamos em automóveis que não tinham cintos de segurança, nem airbag...

- Ir na parte de trás de uma carrinha era um passeio especial que ainda hoje recordamos.

- As nossas camas estavam pintadas com cores brilhantes, de tintas feitas com produtos tóxicos.

- Não tinhamos tampas especiais nas garrafas de detergente ou nas embalagens de medicamentos.

- Quando andávamos de bicicleta não usávamos capacete.

- Bebiamos água da torneira e não de uma garrafa de água mineral...

- Gastávamos horas e horas a construir carrinhos de rolamentos e, só quando os testávamos nas estradas inclinadas é que percebíamos que nos tínhamos esquecido de fazer travões.Depois de vários choques contra algumas árvores (porque raramente chocávamos contra automóveis!) aprendemos a resolver o problema...

- Saíamos para brincar com a única condição de regressarmos antes do anoitecer.

- A escola durava até ao meio-dia , chegávamos a casa para almoçar e depois voltávamos para a escola. Não tínhamos telemóvel por isso ninguém podia localizar-nos (impensável!!!).

- Quando nos cortávamos ,partíamos uma perna ou um braço ou perdíamos um dente, nunca ninguém reclamava por isso. Ninguém era culpado a não ser nós mesmos.

- Comíamos biscoitos, pão e manteiga, comíamos pastilhas "Gorila" e ingeríamos imensas bebidas com açúcar mas nunca tínhamos excesso de peso porque andávamos sempre em movimento a gastar energias...

- Partilhávamos uma bebida... bebíamos da mesma garrafa e ninguém morria por isso.

- Não tínhamos Playstations, Nintendo 64, X boxes, Jogos de vídeo, 99 canais de televisão, videogravadores, mesas de mistura, telemóveis, computadores, chatrooms ou Internet... mas TÍNHAMOS AMIGOS.

- Saíamos, andávamos de bicicleta e caminhávamos até a casa de um amigo, entrávamos sem bater à porta e saíamos para jogar.

- Lá fora! Nesse mundo terrível! Sem nenhum guardião! Como faziamos??? Formávamos grupos para jogar à bola. Nem todos eram "eleitos" e nem por isso ficavam traumatizados.

- Alguns estudantes não eram tão brilhantes como outros e, quando perdiam um ano, repetiam. Ninguém ia ao psicólogo, ao psicopedagogo, ninguém tinha dislexia, problemas de atenção ou hiperactividade; simplesmente, repetia o ano e tinha uma segunda oportunidade.

- Tinhamos liberdade, fracassos, êxitos, responsabilidades e... aprendemos a geri-los. A grande pergunta é: COMO fizemos para sobreviver? (e sobretudo: como fizemos para sermos as grandes pessoas que somos agora?).

Tu és dessa geração?

Então, SORRI - porque foste SUPER FELIZ!!!

11 Atoardas:

Blogger mfc disse...

Que heróis que eramos!

10 janeiro, 2005  
Blogger augustoM disse...

Eu tenho por hábito dizer que no nosso tempo o tempo pautava-se pelo convivio. Se esse tempo era melhor ou pior que o actual, não sei, mas que não tinhamos droga não tinhamos. O segredo de termos sido felizes é não termos tido o que eles têm hoje.
Um beijo. Augusto

10 janeiro, 2005  
Blogger augustoM disse...

ArtofLove
Deveria ter escrito abraço e não beijo.
Desculpa, erro meu!

10 janeiro, 2005  
Blogger Armando S. Sousa disse...

Ao ler isto, estava a rever a minha infância.
Tive (tivemos) uma infância verdadeiramente feliz.

11 janeiro, 2005  
Blogger Emilio de Sousa disse...

Obrigado pela visita. Eu sou mais antigo, bastante mais.
Um abraço.

12 janeiro, 2005  
Blogger Elvira disse...

Pois... assim é que percebemos que estamos a envelhecer (suspiro). Obrigada pela visita. O teu blogue é giro.

13 janeiro, 2005  
Blogger Vab disse...

Quem Eu Gosto é dessa geração.
Eu já cresci na geração onde tudo tem de ser supervisionado pelos papás, com tudo muito facilitado, onde era impensável desaparecer durante 2 minutos. De facto, quando desapareci durante umas duas horas, porque quis ir procurar bichos-da-seda, foi um drama. eheheh

14 janeiro, 2005  
Blogger AnaP disse...

Eram tempos engraçados! Levava as tardes a jogar ao elástico ou a brincar com bonecas. Andava de bicicleta, comia azedas, andava sempre a correr... :-) Beijocas!

14 janeiro, 2005  
Blogger mood disse...

Fui de facto..MUITO feliz. E sempre que recordo essa forma de crescer dá uma sensação muito boa.
um abraço grande por trazeres algumas memórias desta forma

15 janeiro, 2005  
Blogger A metanóica disse...

É verdade... fui uma criança feliz nesse Rio de Janeiro que hoje dizem ser um dos lugares mais violentos...

22 janeiro, 2005  
Blogger zicacabral disse...

eu ainda fui mais feliz porque nasci em 1950 por isso a minha infancia foi passada nesses anos. Alem de ter tido 8 irmaos sempre a "TRAUMATIZAR-ME" com bulhas , brincadeiras, teatros, corridas de bicicleta etc etc, ainda tinha muito mais primos para nos divertir. E que aventuras tinhamos em Carcavelos....felizmente nao viviamos em Lisboa. Iamos de manha para o jardim e so regressavamos para as refeicoes , a nao ser que estivesse a chover. Isto antes de termos idade para a Escola. Quando ja iamos a Escola tinhamos a tarde toda para as brincadeiras.
Foi, de facto uma infancia suoer feliz.....
Ah nao tinhamos tv porque o meu Pai era contra esse impecilho do convivio e da cultura. Por isso aprendemos a conversar, a fazer musica entre nos, a jogar as cartas em conjunto ou a fazer paciencias. A estar sos quando queriamos companhia ou muito acompanhados quando desejavamos estar sos. A lutar por o que queriamos e acreditavamos e a esperar pelo que desejavamos e nao podiamos ter JA.
Aprendemos a ser felizes e que a felicidade nao vem embrulhada num papel bonito comprada numa loja cara, vem aos poucos , sempre construida e tem que ser reeconhecida a todo o momento. Nao e continua mas faz-se da continuidade de muitas coisas
um beijo

18 setembro, 2005  

Enviar um comentário

<< Inicio