<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d8890843\x26blogName\x3dAtordoadas\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://atordoadas.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://atordoadas.blogspot.com/\x26vt\x3d7904952202693746813', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sexta-feira, 16 de setembro de 2005

Assim se faz em Portugal... aprende...

Ouvi esta história recentemente.
Um cidadão português, que sempre desejou ter uma casa com vista para o Tejo, descobriu finalmente umas águas-furtadas algures numa das colinas de Lisboa que cumpria essa condição. No entanto, uma das assoalhadas não tinha janela.
Falou então com um arquitecto amigo para que ele fizesse o projecto e o entregasse à câmara de Lisboa, para obter a respectiva autorização para a obra.
O amigo dissuadiu-o logo, disse-lhe que demoraria bastantes meses ou mesmo anos a obter uma resposta e que, no final, ela seria negativa. No entanto, acrescentou, que ele lhe resolveria o problema.
Assim, numa sexta-feira ao fim da tarde, uma equipa de pedreiros entrou na referida casa, abriu a janela, colocou os vidros e pintou a fachada. O arquitecto tirou então fotos do exterior, onde se via a nova janela e endereçou um pedido à CML, solicitando que fosse permitido ao proprietário fechar a dita cuja janela.
Passado alguns meses, a resposta chegou e era avassaladora. Invocando um extenso número de artigos dos mais diversos códigos, os serviços da câmara davam um rotundo não à pretensão do proprietário de fechar a dita cuja janela.
E assim, o dono da casa não só ganhou uma janela nova, como ficou com toda a argumentação jurídica para rebater alguém que, algum dia, se atreva a vir dizer-lhe que tem de fechar a janela!"

10 Atoardas:

Blogger Elsa disse...

Podes crer!! Infelizmente o que mais acontece neste país são dessas coisas... lol.. aparentemente inexplicáveis... bjos

16 setembro, 2005  
Anonymous Ana disse...

Inteligente da parte do arquitecto... E depois admiram-se que o país está como está.

16 setembro, 2005  
Blogger O Micróbio disse...

Espectacular... deram-me uma ideia para fazer umas obras lá em casa. Vou fazer um altar ao Glorioso na varanda! :-)

16 setembro, 2005  
Blogger Rogue disse...

Já conhecia...Saiu no jornal e tenho um post igual lá no meu canto... Não deixa de ser curioso a burocracia envolvida e antagonica que temos neste cantinho à beira mar plantado.

16 setembro, 2005  
Blogger Miguel disse...

Os serviços publicos teem de passar da fase "Não Pode Porque..."
para a fase "Pode mas desta maneira ou segundo estes limites...".

Se são serviços publicos, deverão ajudar e colaborar com o publico!

Bjks da Matilde

18 setembro, 2005  
Blogger mfc disse...

Eheheheh... nunca me parecia pela cabeça tamanha astúcia!

18 setembro, 2005  
Blogger zicacabral disse...

eu ja conhecia esta historia que sempre me pareceu um bom espelho de como funcionam as coisas em Portugal (e nao so). Tb nos anos 80's e 90's apos a aprovacao do PDM de Lisboa em que, entre outras coisas , as fachadas das casas tinham que ser preservadas, na Av da Liberdade, por ex, alguma caiam por falta de suporte. Nao, nao era de proposito eram as "guitas" fininhas que la punham para suportar o peso, que se partiam.....com o vento....nao era culpa de ninguem.
Uma vez no chao e toda partida, a dita cuja fachada que era necessario preservar esboroava-se na mente dos construtores e politicos e fazia-se uma nova.

18 setembro, 2005  
Blogger JPD disse...

Esta história foi contada pelo Nicolau Santos e fez furor. É uma ideia do caraças. No reino dos burocratas, estas coisas acontecem.
Um abraço

18 setembro, 2005  
Blogger Visible Silence disse...

O que é incrível e assustador é termos a plena consciência de que este não é um caso isolado... e quem trabalha com as leis e procedimentos administrativos já se habituou a "dar a volta" ás leis para que os seus clientes não sejam afectados pelo mau desempenho destes serviços.
É o país que temos... mas com o qual não nos devemos conformar.
Beijos grandes

20 setembro, 2005  
Blogger Paula Raposo disse...

Ah Ah Ah isto não é uma gargalhada, isto é a constatação de que é mesmo assim que tudo isto funciona!!! Dá mais vontade é de bater em alguém, portanto continua a escrever o que escreves!! Beijos

24 setembro, 2005  

Enviar um comentário

<< Inicio